Amigos

domingo, 27 de novembro de 2016

THE WILD GEESE (POEMA DE VIOLET JACOB)* OS GANSOS SELVAGENS

Os gansos selvagens

" Oh! diga-me quem estava no seu caminho,você vibrante vento Norte?
Você  que vem soprando da terra que nunca sai do meu pensamento.
Meus pés viajam pela Inglaterra mas eu estou ansiando pelo Norte"
"Meu amigo,eu vi as prateadas marés   subindo para o estuário do rio"

"Oh vento, eu as conheço bem  no seu vai e vem
e ansioso eu percebo  a arrepiante névoa naquela praia que lá está
mas conte para mim  quando passa por elas,  o que você  vê no  caminho?"
"Meu amigo, eu vi  as gaivotas   voando sobre o Tay"

" mas, você nada viu, enganoso vento, antes de vir para cá?
pois há muitas  coisas para se ver   através do Tay que é muito mais para mim que vida"

"Meu amigo, eu varri as colinas do Angus que  há muito anos você não pisa"
"Oh vento,perdoe um  rapaz  desterrado, que não pode  ouvi-lo sem chorar"

" E acima dos vales do Angus eu vi os gansos selvagens voarem
Um enorme bando batendo  suas asas e  suas cabeças voltadas em direção ao mar
e o som de suas vozes  ficavam ecoando atrás delas pelo ar"
"Oh vento, tenha piedade, cale-se pois eu não consigo mais escutar"
*
tradução  adaptada de um poema escrito por Violet Jacob The  Wild Geese (Norland Wind)
musicado por Jim Reid
O poema original foi escrito  em dialeto da Escócia.

 a beleza do seu sentido nos mostra o coração de um homem saudoso de sua terra
pedindo notícias   ao vento que sopra sobre ela. O original é belíssimo e a tradução dá uma pálida
idéia. Guaraciaba Perides


 A canção baseada  no poema  cantada  por Jim  Reid


15 comentários:

  1. Guaraciaba,simplesmente maravilhoso!
    Obrigada por nos compartilhar.
    Bjs e um lindo final de domingo.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carmen, também gostei muito dessa música, achei nostálgica.
      um abraço

      Excluir
  2. Um poema delicado e comovente. Não conhecia. Lindo mesmo, amiga. *beijos*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rosa...gostei da relação estabelecida entre o sentimento do homem saudoso e as aves migratórias que partem...a identificação de uma lembrança com sua própria sorte.
      Um abraço

      Excluir
  3. Bom dia, gostei de ler o poema, é objectivo. é ao meu gosto.
    Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita e pelo comentário. Um prazer.
      Obrigada

      Excluir
  4. OI GUARACIABA!
    UMA ESCOLHA PERFEITA, UM LINDO POEMA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. OI, Zilani...obrigada. o que me encantou foi a imagem das aves migratórias e o o tom nostálgico da melodia...sempre o sentimento da saudade da terra natal
    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. Que lindeza, Guaraciaba...não importa qual a língua, a terra natal, a raça, há sentimentos que todos entendem, em todo o lugar. Essa nostalgia de uma terra distante, para a qual não poderemos voltar, se compara à nostalgia de nossos tempos de infância, que em comparação com a vida adulta, parecem envoltos em névoas e cheios de sons de risos e gaivotas. A música é muito bela, gosto demais das coisas das ilhas britânicas.
    Um grande abraço!
    B&G

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ghost e Bindi, obrigada pelo comentário...estou conhecendo agora músicas de outras partes do mundo e fico encantada com a sensibilidade e sentimentos que fazem de nós uma só Humanidade.
      Um abraço

      Excluir
  7. Olá Guaraciaba!
    Parabéns pela postagem. Poema e vídeo são belíssima.
    Gostei muito, minha amiga.
    Abraços.
    Pedro.

    ResponderExcluir
  8. Perdão, Guaraciaba, no meu comentário acima aparece a palavra "belíssima",
    não a frase correta, que deveria ter sido esta:POEMA E VÍDEO SÃO BELÍSSIMOS.
    Obrigado.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Pedro, obrigada pelo comentário...eu gosto de compartilhar músicas que falam de sentimentos que nos são comuns em qualquer lugar do mundo e a saudade é um tema recorrente
      Um abraço

      Excluir
  9. Quem vê a natureza em seus versos voadores não consegue deixa-los simplesmente r, é preciso escreve-los enquanto a sensação é despertada! beijão

    ResponderExcluir
  10. Oi, Ives...as aves como os homens também necessitam voar , mas as aves sempre voltam...
    Um abraço

    ResponderExcluir