Amigos

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

OS ESTATUTOS DO HOMEM Um poema de THIAGO DE MELLO

(Ato institucional Permanente)   dedicado a Carlos Heitor Cony


ARTIGO  I

Fica decretado que agora vale a verdade,
que agora vale a vida,
e que de mãos dadas
trabalharemos todos pela vida verdadeira.


ARTIGO  II

Fica decretado que todos os dias da semana,
inclusive as terças feiras mais cinzentas,
têm direito a converter-se em manhãs de domingo.


ARTIGO  III


Fica decretado que, a  partir deste instante,
haverá girassóis em todas as janelas,
que os girassóis terão direito
a abrir-se dentro da sombra,
e que as janelas devem permanecer o dia inteiro,
abertas para o verde onde cresce a esperança.


ARTIGO  IV

Fica decretado que o homem
não precisará nunca mais
duvidar do homem.
Que o homem confiará no homem
como a palmeira confia no vento,
como o vento confia no ar,
como o ar confia no campo azul do céu.

Parágrafo Único:
O homem confiará no homem
como um menino confia em outro menino.


ARTIGO  V

Fica decretado que os homens
estão livres do jugo da mentira.
Nunca mais será preciso usar
a couraça do silêncio.
Nem a armadura das palavras.
O homem se sentará à mesa
com o seu olhar limpo
porque a a verdade passará a ser servida
antes da sobremesa.


ARTIGO  VI

Fica estabelecido durante dez séculos
a prática sonhada pelo  profeta Isaías.
e o lobo eo cordeiro pastarão juntos
e a comida de ambos terá o mesmo gosto de aurora.


ARTIGO  VII

Por decreto irrevogável fica estabelecido
o reinado permanente da justiça e da claridade,
e a alegria será uma bandeira generosa
para sempre desfraldada na alma do povo.


ARTIGO  VIII

Fica decretado que a maior dor
sempre foi e será sempre
não poder dar-se amor a quem se ama
e saber que é a água
que dá à  planta o milagre da flor.


ARTIGO  IX

Fica permitido que o pão de cada dia
tenha no homem o sinal de seu suor.
Mas que sobretudo tenha sempre
o quente  sabor da ternura.


ARTIGO  X

Fica permitido a qualquer pessoa,
a qualquer hora da vida
o uso do traje branco.


ARTIGO  XI

Fica decretado por definição,
que o homem é um animal que ama
e que por isso é belo.
Muito mais belo que a estrela da manhã.


ARTIGO  XII

Decreta-se que nada será obrigado nem proibido
tudo será permitido,
inclusive brincar com os rinocerontes
e caminhar pelas tardes
com uma imensa begônia na lapela.

Parágrafo Único
Somente uma coisa fica proibida:
amar sem amor.


ARTIGO  XIII

Fica decretado que o dinheiro
não poderá nunca mais comprar
o sol das manhãs vindouras.
Expulso do grande baú do medo,
o dinheiro  se transformará em uma espada fraterna
para defender o dinheiro da cantar
e a festa do dia que chegou.


ARTIGO  FINAL

Fica proibido o uso da palavra liberdade
a qual será suprimida dos dicionários
e do pântano enganoso das bocas.
A partir deste instante
a liberdade será algo vivo e transparente
como um fogo ou um rio,
e a sua morada será sempre
o coração do homem.

Santiago do Chile, abril de 1964
Publicado no livro "Faz Escuro Mas Eu Canto: Porque a Manhã Vai Chegar " (1965)
in; MELLO, THIAGO   DE.   Vento Geral 1951 / 1981 : doze livros de poemas
segunda edição Rio de Janeiro- Civilização Brasileira


QUE AS CRIANÇAS CANTEM LIVRES...  de Taiguara









Acreditar é uma opção de liberdade.



20 comentários:

  1. Lindo demais, dispensa comentários.
    Beijo de luz, querida Guaraciaba!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Shirley...bem apropriado para estes tempos, não?
      um abraço e obrigada

      Excluir
  2. Bom dia Guaraciaba!
    Não tenho nem palavras para expressar meu encantamento...
    Que belíssima postagem!
    Um grande abraço para você e um ótimo dia!
    Mariangela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mariangela...em tempos duros é quando precisamos refletir o que queremos para os tempos das novas gerações.
      um abraço

      Excluir
  3. ¡¡¡Ojalá que todos estos ESTATUTOS DO HOMEM queden como dice el artículo final; es decir que sean algo vivo e transparente como um fogo ou um rio,e a sua morada sea sempre o coração do homem!!! Que la Utopía razonable sea una Realidad evidente.
    Maravillosa Entrada.
    Abraços e Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. !!! OJALÁ, Pedro Luis... todos acreditassem!
      Um abraço

      Excluir
  4. Um poema propício para as situações atuais. Bom seria se os artigos fossem cumpridos. Precisamos de mais amor. Precisamos de paz! abraços ♥

    ResponderExcluir
  5. Oi, Rosa, é verdade!...assim foram nos antigos tempos da ditadura e agora quando o acirramento das diferenças provocam o ódio, a paz é o que mais precisamos
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Guaraciaba, bom dia
    Que o teu dia de domingo, seja agradável.
    Que o Criador, nos brinde, com: Saúde. Paz e Alegria.
    E que a família, continue, a ser, o - esteio - dos nossos dias.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada José Maria...o que queremos é que todos nós consigamos desfrutar as verdadeiras alegrias da amizade e confraternização, sem as notas dissonantes do horror dissonante dos tempos da guerra.
      Saúde, Paz e Alegria.
      um abraço



      Excluir
  7. O famoso estatuto do grande homem do Norte! Não se percebe tanta ternura e amor na maioria dos que passaram pelos grilhões da ditadura, no sofrimento do exílio! Esse estatuto, tão oportuno ao ser publicado aqui por você, Guaraciaba, bem que poderia influenciar os legisladores dos decretos impostos e, serem cumpridos por toda a população. Ao se ler cada artigo, alguns com seus maravilhosos parágrafos únicos, sente-se a sensibilidade desse enorme Poeta que é THIAGO DE MELLO. Uma apoteose, o Artigo Final seguido do inesquecível Taguara, cantando a LIBERDADE! Obrigada, pelo belíssimo presente de ANO NOVO! Abraço...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lúcia, quando a história se repete, vamos procurar no passado e em suas agruras, a voz da Paz,
      quando as nuvens carregadas do ódio se acumulam, temos que procurar a luz do respeito e amor como a única solução possível para a humanidade.Se for possível...
      Um abraço

      Excluir
  8. Confesso que não conhecia e sou-lhe grato pela oportunidade que me dás a conhecer; é realmente deslumbrante e admirável a criação deste, pra mim, ilustre desconhecido, assim como o é a bela ilustração que usaste com o vídeo na voz do grande Taiguara. No entanto, dentre tudo, o mais belo, o que levou-me a deslumbre foi ler a tua frase quando culminaste a postagem: "Acreditar é uma opção de liberdade."
    Frase que reconheço e não posso negar a grandiosidade da tua sensibilidade criativa e da profunda inspiração.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Viviani...este poema, foi forjado nos tempos da ditadura como um brado pela necessidade de uma modificação do pensamento da humanidade e apesar de um sonho de liberdade é um paradigma de salvação. Quando terminei a postagem pensei que talvez , muitos achassem ingênuo o posicionamento
      diante dos tempos terríveis que ocorrem , mas também achei ser direito meu a frase que me veio à
      mente;Acreditar é uma opção de liberdade.
      Um abraço
















      Excluir
  9. Decretos importantes e cheios de necessidades! abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OiIves...quem sabe um dia podemos alcançá-los
      Um abraço

      Excluir
  10. Bonitas reflexiones para meditarlas y hacerlas posibles. Besitosss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria Carmen...quem sabe uma proposta de paz.
      Um abraço e obrigada.

      Excluir
  11. Adorei ler.

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt
    https://www.facebook.com/BrilhosModa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isabel, obrigada pela presença e pelo comentário.
      Um abraço

      Excluir