Seguidores

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

UIRAPURU- uma lenda indígena; um canto e uma música

São muitas as lendas que contam a origem do Uirapuru.Uma delas encontrei no site do Xamã-urbano:
Um jovem guerreiro apaixonou-se pela esposa de um grande cacique.Como não podia aproximar-se dela pediu ao deus Tupã que o transformasse em pássaro.
Transformado em pássaro cantava  à noite para sua amada.O cacique fascinado pelo seu canto perseguiu o pássaro para prendê-lo.Uirapuru voou para a floresta e o cacique  o perseguindo se perdeu na mata..
O Uirapuru voltou a cantar para sua amada e continuou a cantar para sempre na esperança de que um dia ela descobrisse o seu canto e seu encanto.
É por isso que o Uirapuru é considerado um amuleto destinado a proporcionar felicidade nos negócios e no amor.
Para ilustrar e completar coloquei duas postagens:
-um vídeo com ilustrações dos diferentes  pássaros que compõe a espécie e o canto que  a distingue.
-A música cantada por um grupo musical dos anos 60, Nilo Amaro e seus Cantores de Ébano, chamada Uirapuru e que fez muito sucesso.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A Tecelã

Os fios embaralham e se cruzam
em nós que atam e desatam
tecendo a teia do destino.
Em novas formas que alternadas
vem e repetem...o mesmo padrão.
São linhas finas,  mas resistentes,
que não se rompem, antes reforçam
o que ao longo do tempo tecem.
São os afetos que permanecem
em outras rotas de fios esparsos
que entram no jogo e acrescentam
outra textura de fino enlace.
Seguindo rotas que se conhecem
ou não se sabe para onde vão...
vão recompondo cenas singelas
de cores várias de doce enlevo;
outras, nem tanto, tão abstratas,
no pensamento, não se percebe
o seu enredo.
E a fina malha vai se estendendo
ao infinito que se revela...
onde se unem todos os fios,
os nós se juntam,
não se desatam...
Completa-se a obra
e a obra é Bela!


Guaraciaba Perides (2011)

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Quem sabe o que se revela (letra para canção)

Quem sabe o que se revela 


buliçosos olhos negros
altivos, cheios de fogo
olhos castanhos, morenos
fiapos de ouro cintilam
olhos verdes, ondas do mar
prometem mais do que cumprem 
olhos azuis transparentes
são gotas do céu, murmuram 
negros, castanhos, verdes e azuis 
quem sabe o que a alma diz
atrás de suas janelas
na linguagem, destas cores
muito mais do que se revela 
pode ser de um momento apenas
pode ser da vida inteira
pode ser jogo de cena 
palco de sombras ocultas
de amores verdadeiros 
de juízos sem juízos 
de naufrágios ou de cais
doçura ou veneno 
promessas ou adeus 
prenúncios de guerra ou de paz 


Guaraciaba Perides (23 de setembro de 2011)

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Madrigal em do-ré-mi...

Docemente o sol vem anunciar o dia
Respira em ondas o mar, doce bonança,
Miraculoso som que dobra o monte
Faz-se ouvir ao longe o sino da capela...
Sol da manhã já vem tecendo as cores e
Lá do mirante avista-se à janela
Silhueta da romântica donzela.
Do espaço,uma ave cruza o céu em alarido
Sinal de bom tempo que se anuncia
Lá fora a brisa espalhando odores
somente flores de um jardim antigo
Faz-se o som dobrado em badaladas
Misterioso timbre como de cristal
Repousa a donzela em seu postigo
Dorme sonho de amor em madrigal!



Guaraciaba Perides (2011)

sábado, 17 de setembro de 2011

Lucinda e seu Capitão (uma história antiga)

Uma mocinha chamada Lucinda
Luz e linda, menina e moça.
De mimos vivia
lá na fazenda do seu avô...
Bacia de prata para seu banho
franja de ouro em seu vestido
e um lindo sonho para sonhar...
Lucinda e seu destino
no tempo dos Coronéis
da Guarda Nacional.
Aos treze anos arranjou-se o casamento
Lucinda nem pode sonhar...
Como foi aquilo? dizia ela
muito mais tarde...e já bem velhinha
"_Sei que vestida de branco,
cabelo enfeitado de flor,lá fui eu casar
e nem sabia com quem.
O que era a vida senão mimos
lá na fazenda do meu avô."
E lá foi Lucinda e seu "capitão"
viver a vida por quase um século...
Com muitos filhos, com muita luta,
entre alegrias e sobressaltos.
Já da riqueza não se sabia
no tempo da ruína dos coronéis...
e da nova classe que emergia.
A fazenda do avô que virou lenda
em quais mãos imigrantes foi parar?
Lucinda sonhava ainda
com elfos, anjos e djins...
trazia o coração em outro plano
alimentado por leituras que fazia
e dos sonhos de amor de sua alma
E na alquimia transformava seu sonhos de ventura
em realidade.
Viveu sonhando, sonhos de vida
quase cem anos de juventude
que sua história a Vida contou!

Guaraciaba Perides (2010)

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

A primavera está chegando...

Mais alguns dias e chega a Primavera, com suas flores e sua alegria.
Para saudá-la postei duas lindas músicas:
Rancho das Flores com letra de Vinícius de Moraes e música de
de Johann Sebastian Bach- Jesus Alegria dos Homens.
A interpretação é da Banda do Corpo de Bombeiros e Coral do Rio de Janeiro.
As imagens são do Jardim Botânico do Rio de Janeiro e do
Jardim de Claude Monet em Giverny.
Estão voltando as flores , música do compositor Paulo Soledade (1919-1999)
Paulo Soledade nasceu em Paranaguá (Paraná).Esta música de1961
fez enorme sucesso no Rio de Janeiro e em todo Brasil

Guaraciaba Perides

Rancho das Flores - Vinícius de Moraes


Estão voltando as flores


Nunca joguei fora um elefante...

Nunca joguei fora um elefante
Sempre quis guardá-lo para mim
Um elefante, como dizem, é para sempre
Nem que seja como enfeite de jardim...

Como sempre tive um elefante
guardado em algum canto dessa história
As vezes no porão de minha casa
As vezes guardado na memória

afinal, o que me atrai no elefante?
Enfim, onde estará o seu encanto?
Seria o guardião de um tempo findo
como a sensação eterna de um espanto?

Ou talvez porque desperte a fantasia
que me faz sonhar como criança...
Pode ser que seja o herói de um tempo antigo
com cheiro, gosto e alma de uma infância...


Guaraciaba Perides (2004)

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Pablo Neruda - Poema XX



Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Escribir, por ejemplo: La noche está estrellada,
y tiritan, azules, los astros, a lo lejos.
El viento de la noche gira en el cielo y canta.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Yo la quise, y a veces ella también me quiso.
En las noches como ésta la tuve entre mis brazos.
La besé tantas veces bajo el cielo infinito.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Pensar que no la tengo. Sentir que la he perdido.
Oír la noche inmensa, más inmensa sin ella.
Y el verso cae al alma como al pasto el rocío.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Pensar que no la tengo. Sentir que la he perdido.
Ya no la quiero, es cierto, pero tal vez la quiero.
Es tan corto el amo, y es tan largo el olvido.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Escribir, por ejemplo: La noche está estrellada,
y tiritan, azules, los astros, a lo lejos.
El viento de la noche gira en el cielo y canta.

Porque noches como esta la tuve entre mis brazos.
Mi alma no se contenta con haberla perdido.
Aunque éste sea el último dolor que me causa,
y éstos sean los últimos versos que le escribo.

O olhar

um olhar cruzando o ar
encontra outro olhar
que busca o seu 
a boca mente quase sempre
mas os olhos não ...
pode alguém contar um conto
de alegria
fingir sentir prazer ou desamor
mas os olhos fitam e sinalizam sempre
se o que se diz é fato 
ou fantasia 
os olhos não conseguem 
esconder o seu segredo
seja de alegria ou de dor
e mesmo que se queria 
esconder o sentimento 
um olhar cruzando o meu 
encontra outro olhar que busca o seu ...


Guaraciaba Perides (06 de setembro de 2011) 

Rosa dos Tempos

Em cada círculo da rosa um labirinto
Em cada labirinto a indagação
Na indagação  o mito
No mito, a verdade ou a ilusão?
Em cada pétala da rosa  o estágio
Em cada estágio, passagem ou ascensão?
se na passagem  o rito
na certeza da vida a ascensão...
No aroma da rosa o breve tempo
o tempo que perdura a ilusão
essência da passagem do real ao mito
que faz de cada círculo da rosa o labirinto
e que faz da vida a eterna indagação...

Guaraciaba Perides   (2006)

Entre mundos

Sereia de fino talhe
de alma tão feminina
por que foste feita peixe
se teu jeito é de menina?
por que encantas os homens,
por que deles te enamoras,
se teu mundo é de água
e o teu corpo é de senhora?
Sereia de longos cabelos
dourados à luz do sol
Por que teu canto tão triste
põe os homens a te buscar?
De beleza tão pungente,
de ardências tão primevas,
foste mulher, foste peixe,
diz sereia ,quem tu és?
Fica o mistério , a magia
da verdade ou fantasia,
fica a bela sereia
entre mundos a sonhar...
Desce a noite, sobe a lua
prateando a noite densa
e ao brilho das estrelas
põe-se a sereia a cantar...

Guaraciaba  Perides (2007)