Amigos

segunda-feira, 17 de abril de 2017

BATEU UMA SAUDADE...

Bateu uma saudade
de um tempo findo
de uma noite fria e
de uma lua cheia,
de um céu de estrelas e
de um campo em flor...
de uma serra azul,
de uma névoa branca
que cobria a terra
como um manto puro
de beleza e paz...
Bateu uma saudade
de risos coloridos,
de uma chama ardente
e de um vinho bom,
que volteava a mente
com um doce alento,
de uma noite mansa
de alegria e paz...
Bateu uma saudade
de risos de crianças,brincar de
esconde-esconde
e observar o céu,
na busca de uma estrela
pisca- piscando luz.
E houve um tempo
que cruzou os ares
e ganhou espaços de
estrelas cadentes...
perdeu-se em horas
de profundo azul.
Bateu uma saudade
de uma canção dolente,
de um violão brejeiro e
de um acordeon;
de danças tão faceiras
de meninas- moças,
brasa nas fogueiras ´
e nos corações...
Bateu uma saudade
de um tempo findo, de
singelos sonhos...a vida
era criança,
o  tempo uma quimera, e
a luz que se esperava
era a do alvorecer.


Guaraciaba Perides


Felicidade que rima com Saudade..."parece uma  coisa atoa, mas como é que a gente voa quando começa a pensar"

A música  FELICIDADE   de Lupicínio Rodrigues
Almir Sater  e Renato Borghetti



quarta-feira, 5 de abril de 2017

ETERNIDADES...

Olho  pela  janela
E  vejo  a Lua
Está  no  alto  do céu
Perene e  bela
Seu  brilho  me alucina
e   penso  eternidades  dentro dela.
Perco-me  em  pensamentos
ao  vê-la  tão  distante,
como  uma  dama   em exílio,
solitária  e  triste...
Que  saudade  ela encerra  em
seu  silêncio
que a faz tão intocável em seu degredo?
Tão   amorosa   em  brilho  e beleza,
mas  triste  como  uma  mulher
em seu enredo...
Certamente,  o amor  que  a  silencia,
e a traz  misteriosa  em  seu  segredo...
O  que  sonha a  Lua  em  seus  sonhos
de  quimera?
Quem  sabe  que  o   destino  lhe conceda
a  União  Eterna  que  Ela   espera...

Guaraciaba Perides

Clair de Lune   de Debussy:




"IMPELIDOS  PELA  FORÇA  DO  AMOR
OS  FRAGMENTOS  DO MUNDO
BUSCAM-SE  UM  AO  OUTRO
PARA   QUE  O  MUNDO  POSSA VIR  A EXISTIR"

(Teilhard  de  Chardin)