Amigos

domingo, 9 de outubro de 2016

SE Rudyard Kipling (1865 - 1936) tradução de Guilherme de Ameida


Se és capaz de manter a tua calma quando
Todo o mundo ao redor já a perdeu e te culpa;
De crer em ti quando estão todos duvidando,
E para esses no entanto achar uma desculpa;
Se és capaz de esperar sem te desesperares,
Ou, enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
E não parecer bom demais, nem pretensioso;

Se é capaz de pensar -  sem que a isso só te atires;
De sonhar - sem fazer dos sonhos os teus senhores;
Se encontrando a desgraça e o triunfo conseguires
Tratar da mesma forma a esses dois impostores;
Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas
Em armadilhas as verdades que disseste,
E as coisas, por que deste a vida, estraçalhadas,
E refazê-las com o bem pouco que te reste;

Se és capaz de arriscar numa única parada,
Tudo quanto ganhaste em toda a tua vida,
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
Resignado, tornar ao ponto de partida;
De forçar coração, nervos, músculo, tudo,
A dar seja o que for que neles ainda existe,
E a persistir assim quando, exaustos, contudo
Resta a vontade em ti que ainda ordena: "Persiste!";

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes
E, entre reis, não perder a naturalidade,
E, de amigos, quer bons, quer maus te defenderes,
Se a todos podes ser de alguma utilidade,
E se és capaz de dar, segundo por segundo,
Ao minuto fatal todo o valor e brilho,
Tua é a Terra com tudo o que existe no mundo
E o que é mais - tu serás um  homem ,ó meu filho!



Nota : este poema escrito em  no princípio do século XX  e representativo dos conceitos morais vigentes na época vitoriana demonstram concepções de valores com os quais procuravam educar
as crianças  e de fato , foi um poema bastante  difundido e decorado por crianças de várias gerações...
Representa um ideal de  pessoa humana  que segundo  o autor projetaria um  esboço de Homem capaz de alcançar o máximo de seu valor. Depois disso, vieram as grandes guerras, a Primeira e  a Segunda Guerra mundial onde milhões de pessoas foram massacradas por conceitos  embasados na  fome de poder e nos ranços de preconceito.  Agora, passadas décadas  de avanços extraordinários em todos os campos da  sociedade, onde  tantas idéias foram formuladas e disseminadas  quais seriam  os valores  ainda vigentes e quais  seriam  aqueles que fariam de um  homem contemporâneo um verdadeiro Homem?
Penso que atualmente muitos dos conceitos  expressos  seriam altamente questionados por opiniões divergentes. Para refletirmos...




15 comentários:

  1. Muito lindo Guaraciaba e pára refletirmos mesmo!
    Hoje em dia o mundo está muito diferente e com tantas mentiras para um inocente pequenino entender quais seriam esses valores.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carmen...é verdade. Alguns valores são imutáveis ao longo da História, e são esses como verdade e honradez os que devem embasar os demais. Mas naquela época havia também muita hipocrisia e nem tudo era verdade o que se dizia...
      Um abraço

      Excluir
  2. Oi Amiga, Guaraciaba Perides, boa noite !
    Um verdadeiro teste reflexivo, para saber
    em que patamar da vida me encontro.
    Parabéns pela bela postagem.
    Um carinhoso abraço e uma feliz semana!
    Sinval.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sinval, enquanto vivos vamos nos acomodando aos novos tempos e eles sempre chegam,
      mas acredito que em todas as épocas os ideais vão se transformando, as vezes para melhor, outras para pior. Tudo que se fazia antigamente idealizava-se e havia tanto quanto hoje muita enganação. Rui Barbosa em seus discursos declarava enfaticamente seu desgosto pelas atitudes políticas de sua época. Só se dourava a pílula.Hoje é às claras.
      Um abraçoo

      Excluir
  3. Uma reflexão bem pertinente ao momento histórico que estamos vivendo. Como bem disseste, depois disto : "vieram as grandes guerras, a Primeira e a Segunda Guerra mundial onde milhões de pessoas foram massacradas por conceitos embasados na fome de poder e nos ranços de preconceito."

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isabel...é verdade, o discurso nem sempre condiz com a prática...enquanto se aclamavam valores de conduta moral gestava-se o ovo da serpente que iria determinar as causas das guerras e massacres mascaradas por ideologias.
      Um abraço

      Excluir
  4. oi amiga, mesmo sendo da era vitoriana o poema cita pontos cruciais do caráter de uma pessoa. Os tempos são outros, mas os valores que formam o ideal de pessoa humana íntegra e correta acredito que ainda ande perto do esboçado pelo autor. Não se corromper. Não faltar com a verdade. Não querer o mal do próximo... Estou aqui pensando profundamente a respeito. Não sei responder com exatidão a pergunta proposta na postagem.

    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Rosa...sim e sim, valores intrínsecos da honradez e da verdade são os preceitos do poeta por isso tão valorizado na literatura. Mas a leitura contemporânea com os olhares do futuro
    apontam o quanto de ideal já era sabotado quando a teoria na prática era outra. O poeta é uma coisa, outra coisa era a sociedade . Mesmo assim este poema sempre me entusiasmou como lema de conduta quando eu o conheci...hoje questiono alguns versos: 'Acreditar em ti quando
    estão todos duvidando'...acho a dúvida saudável, se todos dizem o contrário porque não nos dar o benefício da dúvida? esta rigidez só caberia a um fanático ou a um santo."se és capaz de entre a plebe não te corromperes e entre reis agires com naturalidade"...um ranço classista como se a corrupção fosse característica emanente da plebe enquanto a nobreza de classe fosse condição de nobreza incorrupta? Perguntas de um leitor à luz duma nova história. portanto algumas contradições que nos levam a perguntar. Quanto aos ideais propostos nada a opor somente perguntas.
    Obrigada pelo comentário arguto e que inclusive me deu alento para justificar o meu gosto por ele.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. Também cresci com este poema por perto. E se ele tocava fundo...!

    Um beijinho, Guaraciaba :)

    ResponderExcluir
  7. Também cresci com este poema por perto. E se ele tocava fundo...!

    Um beijinho, Guaraciaba :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi,A.C. este poema era recitado pelas crianças e estava nos livros didáticos mas foi com meu pai que aprendi a gostar dele que sempre o citava com entusiasmo.
      um abraço

      Excluir
  8. Respostas
    1. Obrigada Gigi pelas boas vibrações!
      Um abraço

      Excluir
  9. Boa noite Guaraciaba!
    Apesar de ser tingido por alguns pensamentos da época que nos parecem decadentes hoje (mas afinal, como ser totalmente isento dos costumes da época em que se vive...?)este é um poema que expressa o ideal de caráter humano. Tornar-se um Homem...algo muito difícil ainda hoje, quanto mais na época em questão, onde imperialismos e outros "ismos" mais massacravam milhões. Ainda precisamos buscar o humano, mas talvez um dia haverá em que o humano e suas egocentricidades darão lugar ao espiritual, e nesse dia não se escreverão poemas em papel ou teclados, pois eles estarão escritos na alma de cada um...
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ghost e Bindi... os parâmetros da Humanidade vão mudando de acordo a mudança da vida social mas em termos espirituais parece que andamos em círculos pois tudo se repete ad aeternum desde as mais antigas civilizações; mudam os costumes mas os fatores de integridade continuam ser a meta a atingir e se transformam numa luta individual .
      Obrigada pela reflexão
      Um abraço

      Excluir