Amigos

sábado, 24 de outubro de 2015

H I S T Ó R I A D A M Ú S I CA P O P U L A R B R A S I L E I R A Parte XVI

Continuando...
Na década de 90-surgiram novos grupos e Bandas.
Uma banda de Minas Gerais no circuito underground do Rock Brasil, tornou-se sucesso
no exterior, na linha do heavy metal- O Sepultura ,que gravou na Holanda em 1989 e em 1991.
No segundo Rock in Rio foi atração ao lado de grandes bandas internacionais, nacionais e astros
da MPB. Também nesse ano surgiram os cariocas do Cidade Negra, uma banda de reggae, que
daria o tom pop na década de 90.
Em 1991- surge em Belo Horizonte (M.G,) a banda de reggae "Skank" que cantava suas 
músicas em português, diferentemente da época que para alcançar sucesso no exterior procuravam
gravar músicas em inglês. Sem gravadora, em 1992 gravaram o seu primeiro disco às suas próprias
custas e com alto gráu de qualidade  profissional. A gravadora Sony ,atenta ao seu profissionalismo,
relançou o grupo que alcançou relativo sucesso em 1993, abrindo as portas  para uma nova geração.

Em Recife (PE) começou a aparecer uma nova variação de música que misturava ritmos tradi-
cionais (maracatu) e música pop de vanguarda. Era o "Mangue  Beat"- de bandas como
Chico Science, Nação Zumbi, e Mundo Livre S/A.


Em 1993- apareceu Gabriel, o Pensador, que transformou o rap  brasileiro num gênero comercial.
Ainda na década de 90 surgiu dentro da gravadora W.E.A. um selo para bandas novas, o Banguela,
que lançou o primeiro disco do Mundo Livre e também uma Banda de Brasília, Os Raimundos, (1994), a qual misturava o punk rock americano com o baião de 'duplo sentido' no estilo de 
Genival Lacerda. Esta banda transformou-se na banda de rock brasileira mais popular dos anos 90.
Outra banda de sucesso nos anos 90, foi a carioca Planeta Hemp, de caráter e temas polêmicos,
com letras que abordavam sexo, drogas e uso de palavrões.

Na área pop a banda de maior expressão foi a Skank que em seu segundo disco vendeu um milhão e duzentas mil  cópias. Ainda na década de 90, apareceram com muito sucesso os "Mamonas Assassi-nas", banda de Guarulhos (S,P), mas que tiveram duração efêmera por terem sido vitimados por
acidente aéreo onde todos os seus integrantes faleceram, Em sua curta carreira chegaram a vender
Dois milhões e seiscentas mil cópias de seu disco.

O rock brasileiro ao lado de sucesso também sofreu vários problemas ao longo dos anos 90,desde
o fechamento da emissora que divulgava o gênero, até a morte de vários astros importantes, por
doenças ou ascidentes, além de desavenças entre integrantes de algumas bandas, e outros que
resolveram se desligar para desenvolver carreira solo.

A aproximação feita por Chico Science e Raimundos com a música mais tradicional deu margem
para que artistas que trabalhavam nas fronteiras do rock pop e a MPB, que apresentava tradição e
qualidade de letras chegassem à mídia, com por exemplo, Paulinho Moska e Pedro Luís (cariocas)
Lenine (pernambucano), Chico César e Zeca Baleiro (maranhenses). Em Minas Gerais nos fins
dos anos 90 a música pop foi reforçada pelos grupos  Jota Quest e Pato Fu. No Rio de Janeiro,
a banda carioca Rappa  (mistura p rock -reggae, funck e samba) também alcança sucesso.
Em São Paulo surge o rap denuncia social dos Racionais MC que abalou o mundo musical com
a música "Diário de um Detento" e vendeu mais de um milhão de cópias  com o CD "Sobevivendo
ni Inferno"- 1998.
Algumas bandas ainda conseguem relativo sucesso no final dos anos  90, assinalando-se a presença
de Lobão que criando um selo independente "Universo Paralelo",lançou seu CD a"Vida é doce" 
vendendo suas cópias em bancas de jornais e através da Internet,

Na próxima e última postagem veremos os movimentos de vanguarda de MPB, seus astros e
principais trabalhos e também os chamados Sertanejos e influências de raiz.Portanto, talvez,
na próxima postagem atingiremos o ano 2000 e terminaremos este breve histórico.

SKANK- a música Esquecimento.
  
Com Gabriel, O Pensador  , a música Lavagem Cerebral

Com Raimundos  a música "Mulher de Fases"

Com Paulinho Moska  a música  Muto Pouco

Com Chico Cesar... e chorar um pouco pensando na realidade social..".Pensar em Você"

Com Zeca Baleiro a música" Quase  Nada"
E para completar e entender um pouco melhor Chico Science e o "Mangue Beat"
o documentário de 17 minutos sobre o movimento




Ficamos por aqui. Uma boa semana para todos .

20 comentários:

  1. Alguns nomes já conhecia, outros nem por isso.
    Obrigado, Guaraciaba.

    Um bom final de semana :)

    ResponderExcluir
  2. Oi, A. C....é isso mesmo, até para nós fica difícil conhecer todos esses grupos, pois são tantos e de tantas influências pelo país e em regiões tão distantes e de culturas diversas. Os grupos e bandas têm suas legiões de fãs mas são poucos que chegam de modo geral ao grande público. Procurei destacar músicas mais conhecidas de autores mais conhecidos e com letras com maior conteúdo. Acabei aprendendo bastante (rs)
    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. Olá Guaraciaba,como é bom recordar esses tempos.
    Obrigada por nos compartilhar.
    Bjs e um ótimo domingo.
    Carmen Lúcia

    ResponderExcluir
  4. Oi, Carmen, obrigada pela gentileza.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. Obrigada Gigi...Um dia de Paz e Amor!
      Um abraço

      Excluir
  6. Que boa continuação da história, Guaraciaba.
    São ótimas recordações!
    Uma abençoada semana pra você!
    Abraços!
    Mariangela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mariangela, esse período da história e do gênero já são mais difíceis para mim, porque numa fase mais recente não acompanhei com o entusiasmo da juventude.... está sendo uma descoberta para mim esta pesquisa e descobri que apesar de ritmos e gêneros tão diversos a crítica social permanece como uma constante histórica, o caráter malicioso e um certo romantismo também e que se observa desde o princípio
      do século XX.
      Um abraço

      Excluir
  7. Guaraciaba, você nos remete a um passado tão bom e romântico, que chega a dar um a certa nostalgia.
    Que trabalhão você teve para nos mostrar isso tudo que, aliás, não pode mesmo ser esquecido. Bom é lembrar de coisas boas.
    Paz Profunda, querida amiga!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Shirley, obrigada. de fato, foi um pouco trabalhoso, mas foi gratificante porque aprendi e tive uma noção de conjunto de cem anos da música popular brasileira além de lembrar e de resgatar algumas lembranças do tempo em que meus pais cantavam e eu era pequena e aprendia com eles a gostar de música e continuo até hoje aprendendo e entrando em campos até então desconhecidos.
      Um abraço, Paz Profunda!

      Excluir
  8. Respostas
    1. oi, Gigi, assim seja, um dia abençoado de paz e amor!
      Um abraço

      Excluir
  9. Muy interesante entrada, gran trabajo y recorrido por la historia musical de tu tierra. Besitossss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria Carmen, obrigada pela gentileza.
      Um abraço

      Excluir
  10. Oi, Guaraciaba!
    Ser avó, tem consumido quase todo o meu tempo. Louise nasceu no último dia 16 - também nasci nesse dia, só qua há mais de sete décadas - e pouco tenho navegado na internet. Hoje, não tenho tempo para recuperar todas as suas postagens que ficou pra trás -Jogo de Poder e Meninices - passei voando por elas. Mais história da MPB, tão bem relatada e maravilhosamente ilustrada, com escolhas " a dedo": não deu pra ouvir todas. Hei de retornar, para saborear e "matar as saudades". Meu abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lúcia...que felicidade...duplo parabéns! tornar-se avó no dia do aniversário é uma celebração maravilhosa...a vida que começa e recomeça em nós a vida para ver tudo de novo e saborear com
      experiência a maravilha do existir. É uma alegria muito grande e você agora vai constatar o que os antigos diziam ,' que avó é mãe com açúcar'. Muitas felicidades, saúde , paz e amor para toda a família e bençãos de Deus para todos e em especial para Louise.

      Excluir
  11. Olá Guaraciaba,

    Seu artigo está excelente e muito bem ilustrado pelas músicas escolhidas. Que trabalhão, hein?
    Gostei imento de ver o documentário.
    Lendo seu artigo percebo a minha ignorância a respeito da música popular brasileira. Claro que conheço muitas bandas, cantores e ritmos, mas quando se menciona tantos juntos é que se percebe a riqueza de nossa música.
    Sobre os 'Mamonas Assassinas', fiquei desolada com a morte do grupo. Eles eram irreverentes e divertidos e tinham tudo para continuarem brilhando, mas passaram como cometa, infelizmente.
    Gosto do Skank, claro, já que é produto da nossa BH, além do valor artístico do grupo.
    Também acho interessantes as músicas do rapper Gabriel, O Pensador.
    Enfim, adorei mais esta viagem pela história da música popular brasileira.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Vera Lúcia, obrigada. De fato, este trabalho foi realizado já faz algum tempo, que eu fiz para dar em um curso de extensão cultural...foi mais trabalhoso porque não dispunha de recursos da internet (you tube) e tive que levar gravações em fitas com letra mimeografada e dados de gravações . Agora foi mais gratificante porque tive opor
    tunidade de acrescentar vídeos raros e documentários mais elaborados..
    Também aprendi muita coisa, particularmente o gênero do mangue beat do último documentário. Mas a imensidão do que ficou de fora também nos dá a dimensão da musicalidade do povo brasileiro e porque ela é respeitada no mundo inteiro.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  13. Bom dia Guaraciaba,passando para lhe desejar lindos feriados.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carmen, obrigada...bons dias de descanso.Paz e Amor!
      Um abraço

      Excluir