Amigos

sexta-feira, 29 de maio de 2015

HISTÓRIA DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA Parte XII


A   M.P.B.   a partir dos anos 70...

Nos anos 70, os maiores nomes da Música Popular Brasileira já vinham dos anos  anteriores sobretudo dos anos 60.São artistas que viveram intensamente os eventos os eventos da dé-
cada anterior e alguns deles com episódios de prisão e exílio.

Terminada a Era dos Festivais e a Tropicália deglutida pelos meios de comunicação perdera-se
inclusive pelos impedimentos impostos pelo AI-5. Por força da política cessaram movimentos que acirrassem  correntes ou opiniões públicas. A produção musical continuava rica mas pulverizada.
Os compositores voltaram-se para uma reflexão sobre sua própria obra, pesquisando novos caminhos
e temáticas. Chico Buarque utilizava metáforas em suas composições para driblar a censura.Chegou
a criar um compositor hipotético  "Julinho de Adelaide" , autor de  "Chame o Ladrão" para poder divulgar o seu trabalho. Caetano Veloso e Gilberto Gil que voltaram do exílio na Europa, seguiam
carreiras paralelas. Caetano assumindo o seu lado poeta assinou criações homenageando a alegria,
o prazer, a"beleza pura"  e o "luxo para todos".
Gilberto Gil procurou o resgate da negritude buscando o reggae da Jamaica e apresentando-se em
países da África e paralelamente transmitia idéias místicas e pacifistas.
Milton Nascimento, compositor de músicas e letras rebuscadas, voltou-se à recuperação da memória
de Minas Gerais e de sua infância e juventude no grupo denominado "Clube da Esquina"

O CLUBE  DA  ESQUINA:

Foi um movimento musical que ocorreu em Minas  Gerais e que caracterizou uma renovação da MPB
naquele momento. Começa a partir de 1963 quando o cantor e compositor e instrumentista Milton
Nascimento oriundo da cidade de Três Pontas foi morar em Belo Horizonte e lá conheceu os irmãos
Borges e com eles fez amizade. Com Manilton Borges foi tocar no grupo "Evolussamba"
Outro dos irmãos, Márcio Borges, tornou-se letrista de algumas composições de Milton Nascimento
"Novena", "Gira, Girou", "Crença", feitas em 1964.
Lô Borges, o mais novo, ainda criança na época estudava harmonia com o guitarrista Toninho Horta,
em companhia de Beto Guedes, filho do seresteiro Godofredo Guedes, vindo de Montes Claros.
Os meninos admiravam o Beatles e neles inspirados montaram uma banda. Foi o embrião do Clube
da Esquina, com troca de idéias e composições, das quais Milton Nascimento foi o grande articulador.
Em 1966 , Milton tirou o quarto lugar no Festival da Música popular de TV Excelsior de S.P.
cantando "Cidade Vazia" de Baden Powell e Lula Freire e no mesmo ano Elis Regina gravou sua
música denominada "Canção do Sol". Em 1967, Agostinho dos Santos, inscreveu três músicas de Milton Nascimento no Festival  Internacional da Canção, as quais foram classificadas, sendo que
"Travessia", feita em parceria com Fernando Brant. ficou em segundo lugar. Milton Nascimento
deslanchou sua carreira também em nível internacional com o disco "Courage" (1968) gravado nos
Estados Unidos com arranjos de Eumir Deodato.
O grupo continuou a crescer  com a chegada de novos músicos  co Flávio  Venturini, Vermelho e Tavinho Moura e Milton gravou  o disco "Gerais" com muitas músicas do folclore por ele
recolhidas.. Passaram a presentar-se em shows com LÔ Borges, Beto Guedes e Toninho Horta.
O nome de Clube da Esquina adveio do fato de  se reunirem em uma esquina da Rua Divinópolis
com a Rua Paraisópolis para cantar e tocar e violão. O nome foi adotado por um grupo que se
auto denominava uma "irmandade unida no interesse por música, política e uma cachacinha das
boas"
Socialmente pertenciam à classe média e tinham interesse por assuntos culturais e políticos
privilegiando temas sociais em suas composições. O primeiro LP de Clube da Esquina gravado
em 1972 apresentava ao país uma "alquimia sonora gestado pelo grupo mineiro ao qual se agrega-
ram o letrista Ronaldo Bastos e Wagner Tiso e seu grupo musical. Bossa Nova, Betles,Toadas,
Congadas, Choro, Jazz, Folia de Reis e Rock Progressivo foram absorvidos pelo grupo e destas
influências surgiu uma nova música brasileira de apelo universal e grande força política.
Canções como o "Trem Azul" , "Tudo o que você poderia ser", "Nada será como antes"e "Cais
foram o primeiro marco do movimento considerado o mais importante.
(continua)

Veja abaixo dois grandes momentos musicais de Milton Nascimento:

Travessia



Canção  da América:





continuamos com outros movimentos   em próximas postagens sobre o tema...

20 comentários:

  1. OI GUARACIABA!
    UMA ÉPOCA CONTURBADA POLITICAMENTE NO BRASIL, MAS, QUANTO A MÚSICA, INIGUALÁVEL.
    AS DUAS MÚSICAS SÃO MARAVILHOSAS, MUITO BOM OUVI-LAS.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zilani...é verdade , nos anos de chumbo, os compositores tiveram que fazer um trabalho extraordinário
      para passar suas mensagens driblando a censura da época e acabou resultando uma música e letra refinada que poderia ser ouvida sem maiores problemas mas com referências subentendidas.
      Um abraço e obrigada pelo comentário

      Excluir
  2. Ei querida,
    que postagem mais
    enriquecedora.
    Obrigada por sua
    presença no
    Espelhando.
    Lindo fim de semana
    junto aos seus.

    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela presença e pelo comentário.
      Um abraço

      Excluir
  3. Muy interesante querida amiga, la música de cada país enriquece a la sociedad y es un lazo de unión entre los países. Besitosss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário...a música sempre reflete a realidade o cotidiano da vida social e também os anseios da alma humana, por isso existe a empatia com sons e canções de todas as partes do mundo...
      Um abraço

      Excluir
  4. Guaraciaba, foi uma época difícil, com muita censura, mas, prefiro lembrar o lado bonito, quando as músicas nos encantavam com letras maravilhosas e inteligentes...
    Beijo, amiga.
    Luz, Vida e Amor!

    ResponderExcluir
  5. Oi, Shirley...de fato, havia a contrapartida, estava vendo revistas da época e elas muito bem cuidadas no quesito cultural, uma vez que política era tabu....
    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. O Milton é tudo de bom.
    Obrigada por me proporcionares esta manhã com ele.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi,Lola...estas duas músicas são particularmente muito bonitas e a voz de Milton Nascimento também...
      obrigada.
      um abraço

      Excluir
  7. Apesar de existir a censura tinha musicas
    bem mais bonitas com letras maravilhosas hj
    nossa tem umas que da vontade de chorar..mas como
    dizem por ai...Evolução dos Tempos
    Abraços com carinho!

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rita...hoje em dia existem também compositores e cantores maravilhosos mas infelizmente não são divulgados pela grande mídia...procura-se apenas divulgar aquilo que é de consumo popularesco e de
      empobrecimento cultural...entretanto o povo sabe o que é bom e quando tem acesso ele sabe reconhecer o valor...só que não há infelizmente grandes projetos de valorização. Grandes músicas e cantores ficam restritos a um grupo pequeno de conhecedores, sem recursos de divulgação.
      Um abraço

      Excluir
  8. Emigrei para o Rio de Janeiro, no ano 1970, onde vivi por 25 anos, e vivenciei bem de perto toda a efervescência dos anos que se seguiram...Rio, Sampa e Belô era o celeiro dos grandes músicos, muitos vieram de outras cantos do país para criar triângulo abençoado por Santa Cecília ( a "madrinha" da música). Parece que repressão "instigava" os talentos dos grandes valores. Milton Nascimento e a sua turma do Club da Esquina nos brindou com pérolas maravilhosas na MPB, e dessas pérolas,você duas das melhores...Obrigada, Guaraciaba, forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lúcia...o universo musical brasileiro é tão rico que é impossível fazer um apanhado profundo de todas as suas vertentes, de compositores e cantores e gêneros...no período duro da repressão os compositores tinham que fazer o possível para dar o seu recado sem que a censura não impedisse, absurdamente as vêzes, vendo conspirações aonde não existiam e deixando passar outras que metafóricamente passavam o recado... Julinho da Adelaide (Chico Buarque) passava músicas como
      Chame o Ladrão com pseudônimo pois sendo Chico não passava...e outros tantos...
      Um abraço

      Excluir
  9. Ola querida amiga,adorei tua postagem ,foi um enriquecimento para meus conhecimentos sobre M.P.B.Beijos da SU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suzane...obrigada pelo comentário.Quero um dia ouvir você cantar uma das nossas, daquelas bem bonitas, como Flor Amorosa, por exemplo.
      Um abraço

      Excluir
  10. Olá, Guaraciaba

    ... passando para desejar-te um Feriado, muito bom.
    Tenho a coleção completa em vinil do Milton Nascimento, desde o 1º LP, depois a refiz em CD. Não tenho condições de difinir, as qualidade musicais desse, carioca/mineiro/carioca/mineiro.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Oi, José Maria...é muito bom que pessoas como você guardem o acervo musical de artistas que fazem a nossa história...segundo os especialistas a qualidade sonora do vinil é melhor mas de qualquer modo o CD também é válido e mais fácil de utilizar. O vinil é relíquia!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  12. Olá Guaraciaba,

    Duas excelentes canções de Milton Nascimento, sendo que 'Canção da América' é especialmente linda.
    Extraordinário o seu texto. Perfeito em informações dessa fase importante da música popular brasileira.
    Parabéns!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. importante lembrança. a MPB dos anos 70 marcou na história. tive a honra de compartilhar do tempo em que ocorreu :) bjs

    ResponderExcluir