Amigos

segunda-feira, 17 de março de 2014

E ELE SÓ ME OLHA...

Ele fica no seu canto
e só me olha
Quieto como amigo
que me entende
Passam meses...
passam dias...passam horas
E ele no seu canto
e só me olha
As vezes um pensamento
de carinho
-Qualquer dia  vou lhe dar
um abraço!
Mas, passa o tempo...
eu fico no meu canto
e ele só me olha.
Um dia, sem querer,
pego em seu braço
e de encontro ao meu peito
eu o coloco,
estendo os meus dedos
de mansinho...
tangendo as cordas do seu coração
E ele alegremente  me consola
e afinado toca uma canção
.
Guaraciaba Perides


Para tocar  com  maestria Almir Sater tocando e cantando em perfeita sintonia com a  sua viola
"Quando o violeiro toca"




Guaraciaba  Perides

28 comentários:

  1. Bela poesia minha amiga.
    Bom resto de noite.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Antonio. pela visita e pelo comentário.
      UM ABRAÇO

      Excluir
  2. Lindo poema, mas, foi perdido muito tempo na troca de olhares...O jeito é partir para o ataque mais rapidamente rs.
    Querida amiga, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Shirley, é um grande amor e de longa data e hoje ele mora no canto do meu quarto...é o meu violão! eu olho pra ele, ele me olha...mas não tenho mais o ímpeto da juventude e nem a habilidade (rs) a musica do Almir Sater...um violeiro toca conta a relação de afeto entre o tocador e a sua viola. Partir para o ataque não dá mais! (rs)
      Um abraço

      Excluir
  3. Linda poesia amiga Guaraciaba.
    Como diz a amiga Shirley,que pena que ficou somente em olhares.
    bjs e obrigada pela visita
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carmen...agora são olhares de carinho, mas desde menina há uma grande relação de afeto entre nós, embora minha habilidade não seja tanta , o encanto persiste.
      Um abraço

      Excluir
  4. Pois é minha amiga, às vezes, uma simples troca de olhares, é o começo de um grande amor!
    Lindo! Gosto do que você escreve. Parabéns!
    Um abraço carinhoso.

    ResponderExcluir
  5. Oi,Ilca, obrigada pelo comentário... trocar olhares é o princípio de tudo.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  6. ...pois eu tenho um destes que "me olha".
    Estou até com medo de olhar pra ele.

    Adorei tua poesia.
    É poesia/desafio.

    abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lola...um violão é um afeto para sempre...um companheiro que espera .., mas ele sempre dá um bom retorno.
      Um abraço

      Excluir
  7. Adorei tua poesia...Meu acordeon está no armário há muito tempo, sem me olhar, e sem eu o olhar...Desafinou e já não nos tocamos...
    bj querida apareça no lialendoavida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lia, obrigada...em nosso tempo de adolescência o acordeon era a coqueluche...todo mundo queria aprender. Mais tarde o violão ficou mais popular porque era fácil de carregar e quem não se encantava com uma roda de violão...o tocador ficava rodeado de fãs (rs)
      Oi, Lia sou assídua leitora do seu blog e acompanho você e suas amigas pelas praias da vida...
      Um abraço, Paz e Amor com muita saúde.

      Excluir
  8. Que belo romance. Temosdois aqui, porém sou um desastre, deixo pros meus filhos e minha neta de 14 anos, que também domina e bem esta paixão. Eu me contento em abraça-lo vez em quando e arrancar dele notas desengonçadas como se implorasse pra não tocá-lo. Mas não desista não minha amiga dessa amizade. Vá em frente , imagina com a sua capacidade de poetar, se unindo a ele, sei que teremos lindas canções.
    Almir Sater e seu violão é tudo que eu queria ouvir agora. Adoro.
    O poema encantador .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lourdinha...o violão é um companheiro e tanto e mesmo sem maestria no tocar ele nos conforta e acomoda os nossos sentimentos e a relação com ele é intima e ele até entende quando o tocamos sem jeito...e nos dá uma força encontrando a melodia, o que é o meu caso que toco de ouvido e sem nenhuma regra.A emoção que ele desperta em mim é a mesma desde sempre.Agora, Almir Sater tem a alma de violeiro em simbiose com a sua própria. Em tempo, por acaso você descobriu a Fonte da Juventude? (rs)
      Um abraço, luz e paz

      Excluir
    2. Oi Guaraciaba, quisera eu tocar ao menos de ouvido, eu adoro, o primeiro presente que ganhei do meu marido foi um violão, na época ainda era meu namorado e gostávamos muito de violão, mas não conseguimos aprender nunca, e como não procuramos uma escola,ficamos frustrados, mas Deus nos presenteou com nossos filhos que aprenderam de ouvido. e tocam até razoavelmente..Agora minha neta também já está tocando. Acho que como você eles nasceram com o dom. Eu não, apenas nasci gostando muito de música. Quanto a Fonte da Juventude não entendi bem, ao que se referiu....fiquei no ar. Depois você me explica. Falando sério, não deixe seu violão ficar lá muito sozinho não, imagino o quanto é realmente emocionante saber tocar mesmo que seja de ouvido. A propósito eu gosto tanto,
      que tenho um disco antigo com músicas de violão, e tem uma música que eu adoro, você deve conhecer, o nome ´é Romance de amor. Acho simplesmente linda.
      bjs. Desculpa se alonguei.

      Excluir
    3. Oi, Lourdinha obrigada pela atenção, também gosto muito de música e desde o ginásio comecei a tocar no violão de meu pai que também tocava de ouvido...depois também ganhei um de meu tio que me deu o seu violão de estimação, depois ganhei do meu marido(agora percebi que nunca comprei, sempre ganhei).Com relação à Fonte da Juventude é um elogio...diz a lenda que quem encontra a fonte da juventude e se banha em suas águas, não envelhece. Eu vi fotos suas com seu filho e me espantei com sua aparência jovem e agora você escreve que tem uma neta de 14 anos!!!.Fique pensando que você tem uma aparência bem jovem e bonita e um amadurecimento espiritual bem grande de uma pessoa mais velha.Benza Deus! (rs)
      Um abraço e saiba que tenho uma grande sintonia com você

      Excluir
  9. Obrigada Guaraciaba, eu passei um pouco da década dos cinquenta, as fotos fora a do face tem uns seis e até dez anos atras e que fazem bem a diferença de uma atual, esta do perfil do blog, foi em 2011 , quando criei o blog.A do face eu era uma jovem de vinte anos e as fotos ainda eram em preto e branco. Meu primeiro filho se casou bem cedo.E eu queria ter mais netos, é a coisa melhor do mundo.Ainda tenho dois outros filhos para casar, será que alcanço.?..Peço desculpa por estar trazendo assuntos fora do conteúdo da sua postagem, mas pra mim, fez muito bem, além de ser maravilhoso conversar com você que admiro muito.Ultimamente só quero tirar fotos de looooonge...
    Um grande abraço Guaraciaba e obrigada.

    ResponderExcluir
  10. Ops! Quiz dizer faixa dos cinquenta.
    bjs.

    ResponderExcluir
  11. Olá Guaraciaba,

    Gostei demais e tive que sorrir quando percebi quem é ele-rsrs.
    Ele te olha com um olhar 'pidão' e você ainda consegue resistir a esse olhar? -rs.
    Não sabia que tocava violão. É um lindo instrumento.
    Seu poema ficou deliciosamente charmoso. Adorei.
    E ouvir Almir Sater com essa música é sempre um presente.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vera...um violão é um companheiro e tanto...tocar bem eu não toco mas ele me distrai bastante e é muito compreensivo com minha falta de jeito (rs)...é impossível escapar do duplo sentido (rs).
      Almir Sater definiu muito bem o sentimento de afeto entre a viola e o violeiro.Gosto demais dessa música;.
      Um abraço

      Excluir
  12. OI GUARACIABA!
    TAMBÉM SORRI, COMO A VERA, AO SABER QUE SE TRATAVA DE TEU VIOLÃO.
    DEVES TOCAR E MUITO BEM, PARA TER UMA INSPIRAÇÃO TÃO LINDA E TOCANTE ASSIM.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zilani, escrevi num ímpeto quando ao arrumar a cama de manhã me dei conta do violão há tanto tempo quietinho no seu canto como se me olhasse.Afinal, como um amigo como ele fica tanto tempo esquecido e no entanto tão fiel. Depois de escrito percebi o duplo sentido mas deixei assim mesmo porque ele merece.A música de Almir esclarece a relação de afeto que realmente existe entre a viola e o violeiro.Um abraço

      Excluir
  13. ler um belo poema ouvindo o Almir é
    a melhor coisa e isso só por aqui mesmo nesse espaço tão carinhoso
    muito lindo

    Abraços de sempre
    ღ(•‿•)ღ
    .._/█\_ ♡..Rita!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rita, obrigada pelo carinhoso comentário.Faz bem ao coração
      Um belo fim de semana com um iguaria maravilhosa!
      Paz e Amor!

      Excluir
  14. Um dia os olhares se cruzam, num momento de sorriso...então o elo de amor se fará em união, num tempo longo, como a eternidade.

    Ghost e Bindi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ghost e Bindi... de amor vocês entendem, não é?...Obrigada pelo carinho e comentário!
      Um abraço, Paz e Amor.

      Excluir
  15. O lá de casa, meu filho o levou: era mesmo dele...Às vezes, lamentava, não saber tocar, para o abraçar e ouvir, acompanhada, as canções que sei cantar...Sou fã do Almir Sater e curto um bom som de violão. Linda postagem, de se ver e de se ouvir, nesta linda manhã, outonal, de domingo. Meu abraço e ótimo domingo, Guaraciaba...

    ResponderExcluir
  16. Oi, Lúcia...nós somos da geração do violão, nas festas universitárias tinha o pessoal da dança e o pessoal do "gargarejo" em volta do violão cantando as músicas mais importantes do momento (anos 60 e 70 saudosos).Minha relação com o violão sempre foi mais de afeto do que competência...tocava de ouvido sem nenhuma regra...mas saía alguma coisa (rs) e era só em casa de preferência sem público. Hoje ele fica no seu canto e só me olha e eu a ele.
    Um abraço

    ResponderExcluir