Amigos

domingo, 28 de julho de 2013

ESPECULAÇÕES EM TORNO DA PALAVRA HOMEM

Mas que coisa é o homem,
que há sob o nome:
uma geografia?

Um ser metafísico?
uma fábula sem
signo que a desmonte?

Como pode o homem
sentir-se a si mesmo
quando o mundo some?

Como vai o homem
junto de outro homem,
sem perder o nome?

E não perde o nome
e o sal que ele come
nada lhe acrescenta

nem lhe subtrai
da doação do pai?
como se faz um homem?

Apenas deitar,
copular, à espera
de que do abdômen

brote a flor do homem?
Como se fazer
a si mesmo, antes

de fazer o homem?
Fabricar o pai
e o pai
e o pai e outro pai

e um pai mais remoto
que o primeiro homem?
Quanto vale o homem?

Menos, mais que o peso?
Hoje mais que ontem?
Vale menos velho?

Vale menos morto?
Menos um que outro,
se o valor do homem

é medida  de homem?
Como morre o homem,
como começa a?

Sua morte é fome
que a si mesmo come?
Morre a cada passo?

Quando dorme, morre?
Quando morre, morre?
A morte do homem

Consemelha a goma
que ele masca, ponche
que ele sorve, sono

que ele brinca, incerto
de estar  perto, longe?
Morre, sonha o homem?

Por que morre o homem?
Campeia outra forma
de existir sem vida?

Fareja outra vida
não já repetida,
em doido horizonte?

Indaga outro homem?
Por que morte e homem
andam de mãos dadas

e são tão engraçadas
as horas do homem?
Mas que coisa é o homem?

Tem medo da morte,
mata-se sem medo?
Ou medo é que o mata

com punhal de prata,
laço de gravata,
pulo sobre a ponte?

Por que vive o homem?
Quem o força a isso,
prisioneiro insonte?

Como vive o homem
se é certo que vive?
Que oculta na fronte?

E por que não conta
seu todo segredo
mesmo em tom esconso?

Por que mente o homem?
mente mente mente
desesperadamente?

Por que não se cala,
se a mentira fala,
em tudo que sente?

Por que chora o homem?
Que choro compensa
o mal de ser homem?

mas que dor é o homem?
Homem como pode
descobrir que dói?

Há alma no homem?
E quem pôs na alma
algo que a destrói?

Como sabe o homem
o que é sua alma
e o que  é alma anônima?

Para que serve o homem?
para estrumar flores,
para tecer contos?

Para servir o homem?
Para criar Deus?
Sabe Deus do homem?

E sabe o demônio?
Como quer o homem
ser destino, fonte?

Que milagre é o homem?
Que sonho, que sombra?
Mas existe o homem?

Carlos Drummond de Andrade

Em função do poema de Drummond encontrei este magnífico vídeo sobre
o ser humano em uma cápsula do tempo, de sua vivência   e de sua existência...
Para refletirmos em função das especulações poéticas do poeta e a dimensão
de nossa presença histórica no mundo.



22 comentários:

  1. Cada vez mais me surpreendo com Drummond! E por contínuo, cada vez mais me surpreendo com os seus "inusitados achados". Um estudo verdadeiramente interessante que nos leva à profunda reflexão sobre o "bicho" homem. Aí cabe todas as "ias": Filosofia, Sociologia, Antropologia, Psicologia, Geografia...e mais a Historiografia na composição do vídeo que complementa primorosamente o seu excelente trabalho de pesquisa. Parabéns, Guaraciaba. Boa semana e meu abraço.
    P.S. Não entendi porque, antes das últimas quatro estofes, está o nome Carlos Drummond de Andrade, seriam dois poemas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lúcia, este poema de Drummond é um excelente pensar sobre a condição humana.Tinha a intenção de postá-lo há algum tempo.Mas ontem tomei conhecimento desse vídeo e relacionei-o de imediato como um bom complemento ao poema.Com relação à postagem do poema foi "barbeiragem" minha na hora de salvar,ela sumiu,eu continuei sem perceber,sei lá, depois parei pra almoçar, não revisei e ficou aquela bagunça.Perdão e obrigada pelo aviso. Já consertei.E descobri que lendo o primeiro verso de cada estrofe a gente encontra um novo poema bem interessante.O vídeo é fabuloso porque se trata de uma filmagem que foi realizada
      alguns dias antes de um grande terremoto que destruiu grandemente a cidade de San Francisco o que destaca a fragilidade da condição humana. um abraço

      Excluir
  2. Guaraciaba, vamos tentar descobrir para que serve o homem?rs. Muito bom. Beijo e boa semana!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Giuliana, obrigada pelo comentário.O homem serve para pensar sobre sua própria humanidade e buscar eternamente as respostas e enquanto busca cria teorias, poemas , músicas, filosofias,etc, etc,etc.. Um abraço

      Excluir
  3. Ola grande amiga,agradeço demais tuas visitas,carinho,e sinceridade de tuas sempre amáveis palavras.Excelente o video e o poema muito interessante.Desejo que tenhas uma semana bem feliz e aqui deIxo meu maior abraço>SU.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Suzane, pela presença e comentário...assim como você, sempre coloco no blog aquilo que gosto e me chama a atenção. A vida humana é sempre um ponto importante de
    reflexão.Dias cantantes e felizes em sua vida.Um abraço

    ResponderExcluir

  5. Olá Guaraciaba,

    Este vídeo é mesmo um achado.
    O poema é muito interessante e questionador. Induz, de fato, à reflexão sobre a natureza do homem e a condição humana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Vera, é verdade...o vídeo nos mostra este caráter ao mesmo tempo denso e ao mesmo tempo efêmero da existência...algo que se vai mas que no entanto permanece.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  7. Olá,amiga Guaraciaba!

    Parabéns pelo belíssimo trabalho.
    Sempre me encanto com teus escritos.

    ABRAÇOS
    Sinval

    ResponderExcluir
  8. Obrigada Sinval, por sua presença e comentário.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  9. Texto forte e bastante reflexivo.
    Abraços.Sandra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Sandra, pela presença e pelo comentário.Um poema de Drummond que nos fala de nossa condição humana...e do nosso propósito de estar no mundo. O vídeo foi para mim um exemplo de um fragmento histórico de existir.
      Um abraço

      Excluir
  10. Passando para te desejar uma ótima sexta.
    Abraços.Sandra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Sandra, pela gentileza.Um belo fim de semana cheio de alegria.
      Um abraço

      Excluir
  11. Este poema de Drummond e o vídeo são ótimos pra se fazer uma pausa e refletir.

    beijos querida e um lindo final de semana!

    Rosa Mattos
    http://contosdarosa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rosa, obrigada pela presença e pelo comentário.De fato, qualquer que seja a percepção de nossa realidade, ficamos como Drummond...tantas perguntas e poucas certezas.
      Um abraço

      Excluir
  12. Respostas
    1. Um abraço, amiga e feliz semana com tudo de bom.

      Excluir
  13. Oi, menina, reli o poema e...bem, vi que o comentário que fiz anteriormente, foi publicado em nome de minha filha, por ela ter usado meu computador, hehehe...Tá explicado. Guaraciaba, beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI, Shirley...é assim mesmo, mas nossas filhas são extensões de nós e carregam um pouco de nós em suas almas, acontece também aqui em minha casa.Valeu! um grande abraço

      Excluir
  14. Ola querida amiga,como podes imaginar fico sempre muito feliz com tua visitinha de domingo.Que bom saber que também gostas destes filmes antigos;eu adoro,principalmente os musicais ,pois me encantam as canções,as danças e a alegria que eles nos transmitiam quando vistos nas "matineés de domingos.".Grande beijo e abraço.SU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suzane, é verdade...quando eu era "mocinha" eu gostava dos filmes da Metro, com os artistas bonitos da época, eu chegava em casa "flutuando"...confesso que os mais antigos não me agradavam muito (achava feinho Fred Astaire ...) Depois, com a nouvelle vague e eu universitária adorava.Agora os filmes antigos ,vejo,
      são verdadeiras obras-primas que contavam com os talentos verdadeiros e não com efeitos especiais,Outro dia, fui assistir "A Malvada" com Bete Davis e fiquei encantada com o talento dos artistas de então.
      Um abraço

      Excluir